Author Archives: Francisco

Le Coq Sportif, ídolos de futebol

A Le Coq Sportif apre­senta uma cole­ção que aponta em duas dire­ções. Por um lado, uma linha ins­pi­rada na sua tra­di­ção no mundo do ciclismo, por outro, refe­ren­cias aos anos 80, tanto nas  nas cores, como mate­ri­ais e nos cor­tes, que con­fe­rem um certo ar retro a cole­cão­di­ri­gida a um cres­cente número de jovens que pro­cu­ram uma roupa casual e com estilo. Como esta­mos em ano de mun­dial de fute­bol, a marca fran­cesa não quis dei­xar de assi­na­lar o acon­te­ci­mento com uma fabu­losa cole­ção dos gran­des íco­nes do fute­bol estam­pa­dos em t-​​shirts. Mesmo pixe­li­za­dos são faceis de reco­nhe­cer e quem n quer tra­zer o seu ídolo ao peito. MSJ

www​.lecoqs​por​tif​.com

Algarve, A Califórnia Portuguesa

Há muito tempo que o surf dei­xou de ser um des­porto pre­zado ape­nas pelos seus pra­ti­can­tes, e à seme­lhança de outros des­por­tos de mas­sas, é cada vez mais apre­ci­ado pelo público em geral. Nesse aspecto, Portugal não foge à regra, o que não é sur­pre­en­dente se con­si­de­rar­mos os cerca de 200 mil pra­ti­can­tes desta moda­li­dade. Além da beleza e exten­são da costa naci­o­nal, o espec­tá­culo que o surf ofe­rece con­tri­bui defi­ni­ti­va­mente para ser um des­porto com um número cada vez maior de seguidores.

Ao con­trá­rio da pro­du­ção cine­ma­to­grá­fica em geral, os fil­mes rela­ci­o­na­dos com surf são cada vez mais fre­quen­tes em Portugal, e a curta-​​metragem “Algarve” é um dos mais recen­tes exem­plos disso. Como não podia dei­xar de ser, o que motiva retra­ta­dos como Pedro Henrique, Marlon Lipke, Eduardo Fernandes ou Miguel Mouzinho é a busca de ondas, sobre­tudo per­fei­tas. Para estes sur­fis­tas que já via­ja­ram pelo mundo inteiro, o Algarve é um dos mais extra­or­di­ná­rios spots do mundo, “com ondas de azul intenso e lon­gos pointbreaks”.

Filmado com recurso a dro­nes e heli­cóp­te­ros ao longo de praias entre Portimão e Vila do Bispo, este pode ser con­si­de­rado o pri­meiro filme exclu­si­va­mente sobre o Algarve, retratando-​​o não só como zona bal­near, mas ofe­re­cendo tam­bém uma pers­pec­tiva cul­tu­ral e tradicional.

Produzido pela Biostyles e rea­li­zado pelo sur­fista pro­fis­si­o­nal Pedro Henriques, “Algarve” será agora envi­ado para con­cur­sos inter­na­ci­o­nais como forma de pro­mo­ver não só a qua­li­dade do surf em Portugal, mas tam­bém a pró­pria região, e por­que não, o cinema português.

Para quem não pode, ou nāo quer espe­rar que o filme o encon­tre, basta dirigir-​​se à página de Vimeo de “Algarve” (https://​vimeo​.com/​o​n​d​e​m​a​n​d​/​a​l​g​a​r​v​e​/​8​5​1​3​3​041) e alu­gar a curta durante 48 horas por cerca de 2 euros, ou adquiri-​​la por cerca de 7 euros.

texto de Hugo Filipe Lopes

Rui Chafes, O Peso do Paraíso

A Centro de Arte Moderna da Fundação Gulbenkian orga­niza a pri­meira expo­si­ção onto­ló­gica de Rui Chafes (1966), artista por­tu­guês que geral­mente apa­rece con­tex­tu­a­li­zado na gera­ção pós-​​Abril, que reno­vou a lin­gua­gem da esculp­tura em Portugal. Centradas nos 20 anos de pro­du­ção do artista, as peças foram encon­trando o seu pró­prio lugar numa sala ampla –o que é sem­pre um desa­fio. O artista leva o olhar do expec­ta­dor para os recan­tos e par­ti­cu­la­ri­da­des do espaço, e até mesmo para o exte­rior, trans­gre­dindo os limi­tes do peri­me­tro expo­si­tivo como, aliás, acon­tece com o pró­prio corpo da sua esculp­tura. Todas as peças expos­tas exi­gem uma aten­ção par­ti­cu­lar e uma pro­xi­mi­dade por parte do espectador.

Durante o per­curso, é evi­dente que há nas peças de juven­tude uma maior lite­ra­li­dade de inten­ções, onde o foco era a com­po­si­ção do corpo da esculp­tura. Nela, o con­flito e a con­fluên­cia de for­mas, tanto natu­rais como cul­tu­rais, era rema­tado por um lin­gua­gem meta­fó­rica que ser­via de ali­mento poé­tico da obra. Era essa pro­xi­mi­dade poé­tica, com evo­ca­ções à essên­cia do ser naquilo que tem de mais glo­ri­oso ou trá­gico, que ia liber­tando o escul­tor dos cor­pos produzidos.Vendo o con­junto da obra e dando  aten­ção a pro­jec­tos recen­tes, as for­mas em si per­de­ram rele­vân­cia quando com­pa­ra­das com a maté­ria e o peso em si. Muitas vezes sus­pen­sas, elas pare­cem desa­fiar as leis da gra­vi­dade, remetendo-​​nos para um estado de leveza ilu­só­ria. Provavelmente, a isso se refere o título da expo­si­ção – “o peso” do paraíso – um drama sem saída que o artista impõe como dinâ­mica capaz de poten­ci­a­li­zar um con­junto de per­gun­tas e res­pos­tas que geram o corpo do trabalho.

Texto de Francisco Vaz Fernandes

O Peso do Paraíso

Rui Chafes

Até 18 de Maio

 

CAM

Rua Dr. Nicolau de Bettencourt

Telf 217823474

www​.gul​ben​kian​.com

 

óculos de sol Carhartt x Retrosuperfuture

Carhartt WIP

A Carhartt WIP uniu for­ças cri­a­ti­vas com a Retrosuperfuture para desen­vol­ver uma linha espe­cial de ócu­los de sol, con­ce­bi­das espe­ci­fi­ca­mente para a Primavera /​ Verão 2014. São três mode­los com vari­a­ções de cores que foram dese­nha­dos para o uso diá­rio. São mode­los que repre­sen­tam ele­men­tos cen­trais de ambas as mar­cas: intem­po­ra­li­dade e design, qua­li­dade e exce­lên­cia de acabamentos.

A marca Retrosuperfuture foi lan­çada em 2007, e tem a par­ti­cu­la­ri­dade de criar arma­ções fei­tas à mão em Itália, uti­li­zando ape­nas os melho­res mate­ri­ais, que garan­tem o mais alto nível de pro­tec­ção em todas as con­di­ções.
Além disso, tra­zem len­tes ZEISS.

Maria São Miguel

www​.carhartt​.com

Carhartt WIP

A Carhartt WIP uniu for­ças cri­a­ti­vas com a Retrosuperfuture para desen­vol­ver uma linha espe­cial de ócu­los de sol, con­ce­bi­das espe­ci­fi­ca­mente para a Primavera /​ Verão 2014. São três mode­los com vari­a­ções de cores que foram dese­nha­dos para o uso diá­rio. São mode­los que repre­sen­tam ele­men­tos cen­trais de ambas as mar­cas: intem­po­ra­li­dade e design, qua­li­dade e exce­lên­cia de acabamentos.

A marca Retrosuperfuture foi lan­çada em 2007, e tem a par­ti­cu­la­ri­dade de criar arma­ções fei­tas à mão em Itália, uti­li­zando ape­nas os melho­res mate­ri­ais, que garan­tem o mais alto nível de pro­tec­ção em todas as con­di­ções.
Além disso, tra­zem len­tes ZEISS.

Maria São Miguel

www​.carhartt​.com

www​.retro​su​per​fu​ture​.com