david palma

David Palma (entrevista)

Um jovem designer de comunicação do Algarve de 25 anos, farto do mesmo tipo de sapatos, resolveu conceber novas premissas para criar modelos mais emocionantes e apetecíveis. Assim nasceu o primeiro modelo, que tendo a colaboração de artesão português funde o tradicional com uma tecnologia lazer.

1- És de design de comunicação. como surgiu o teu interesse pelos sapatos?

Apesar de ser designer de comunicação sou apaixonado pelas diferentes áreas do design especialmente design de calçado, sobretudo tenis isto porque existe uma oferta muito maior em termos de cor, ilustração, formatos texturas, do que em sapatos clássicos e quando existe algo de diferente e com caracter especial em calçado clássico os preços são bastante elevados.

O ano passado estive uma temporada em Buenos Aires onde vi muita oferta de calçado em pele, mas tudo o que encontrava apesar dos materiais e dos acabamentos serem excelentes, olhava para os sapatos e não tinham carácter, não tinham nada que diferencia-se eram mais uns sapatos. Um dia num mercado de rua passo por uma tenda em que estavam a vender sapatos tradicionais e mesmo ao lado estava outra tenda em com tecidos cheios de cores, padrões, entre outras coisas e naquele momento, o projecto dos sapatos começou. a pergunta surgiu-me – porquê que os sapatos clássicos masculino não pode ter cor ou ilustrações ou formatos diferentes ou….? A partir daqui comecei conceptualizar  este projecto.
2 – Quando iniciaste o projecto tinhas algum ponto de partida e o restante veio por acréscimo depois de alguma pesquisa ou pelo contrário já tinhas todos os elementos com que querias trabalhar a partida?

O ponto de partida nasceu da necessidade que tinha de encontrar sapatos clássicos com que me identificasse e fosse capaz de usar, tanto como um par de tenis. Óbvio que com o surgir da ideia muita pesquisa está a ser feita, desde marcas de sapatos, estilos, géneros, fabricantes, tecidos, materiais acabamentos. Talvez pela minha família ter uma empresa design e publicidade e termos alguma maquinaria como maquinas laser, influenciou o uso da pele gravada para este primeiro par de sapatos, apesar de no futuro não querer só usar a gravação laser mas também testar outros acabamentos!

3- Como surgiu essa relação com o sapateiro Mário Grilo

Quando cheguei a Portugal a primeira coisa que fiz foi procurar quem podia produzir somente um par de sapatos e testar então a minha ideia, após alguma pesquisa encontrei o trabalho do Mário Grilo na internet e pareceu-me ser a pessoa mais indicada para dar vida aos meus sapatos.

4 –  Até agora só produziste um modelo. estás a pensar continuar com o mesmo tipo de filosofia e criar outros modelos, ou simplesmente esta ideia termina aqui e está enquadrada no teu projecto de design de comunicação.

O projecto agora é que realmente começou.

5 – Tens alguma filosofia inerente a este projecto?

O conceito inicial e como eu visualizei no inicio passava por não seguir tendências nem criar um numero exacto de modelos por estação, mas sim de ir com o tempo criando modelos, sendo este por exemplo o modelo nº1 o próximo que fizesse seria o nº2 e por ai consequentemente, e daqui a dez anos se alguém desejasse ter o modelo numero poder ser produzido. Não procuro fazer propriamente sapatos de moda, mas sim sapatos com carácter, com voz própria e intemporais. Mas como referi isto foi como eu visualizei o projecto no inicio, não quer dizer que consoante as oportunidades e ofertas que possam surgir o conceito inicial tambem não mude.

6 – Como tem sido a recepção do teu primeiro modelo??

Êxtase, emoção, orgulho são as melhores palavras para descrever a recepção deste projecto. Após ter colocado a primeira foto dos sapatos no facebook, tive dezenas de pessoas a felicitar, a perguntar quando estavam a venda, onde, que cores havia, quem é tinha feito etc. Foi uma sensação muito boa e também um exemplo para muitos colegas meus, mostrar que as nossas ideias e nossos sonhos são possíveis de ser realizados basta determinação e acreditar.

 

Francisco Vaz Fernandes
No Comments

Post a Comment