capa_DFseasons-rising-falling

Balões, confetis e David Fonseca

O Coliseu de Lisboa recebeu o músico com uma plateia cheia e David Fonseca recebeu o público como se estivesse em casa. Este concerto marcou a estreia dos álbuns “Seasons – Rising : Falling” nos Coliseus portugueses.
Tudo começou há 10 anos, quando David Fonseca decidiu aventurar-se numa carreira a solo, em género de experiência. O relatório final desta merece nota máxima, porque uma década depois o músico continua a arrastar pessoas para dentro do seu universo de sonoridades vibrantes cantadas em inglês.
Uma explosão de confetis abriu este espetáculo celestial. Um microfone retro desceu até às mãos de David Fonseca que, de viola às costas, cantou “Under The Willow” acompanhada de um movimento de pernas energético, típico de alguém regressado dos clássicos anos 50 – qual Elvis Presley!
E começou o “Armaggedon” musical. David Fonseca prometeu à sua tripulação lisboeta uma viagem entre canções novas e velhas, com paragens acústicas e passagem por clássicos de outras bandas. E cumpriu. Saltando entre “Seasons – Rising : Falling” e canções de outros álbuns, o cantor transformou duas horas de concerto num ano de vida. Quase como que correndo todas os meses do ano a cantar, David Fonseca conseguiu vestir o palco a rigor para as quatro estações. Com bolas de espelhos, monólogos dramáticos ao piano, microfones em formato telefone e camisa de dormir vestida, o músico criou cenários curiosos de interacção com o público. Entre clássicos-sensação como “Our Hearts Will Beat As One”, “Someone That Cannot Love”, “Kiss Me, Oh Kiss Me” e “The 80’s”, David Fonseca teve tempo para surpreender mais uma vez, ao convidar Luísa Sobral para cantar consigo o tema “It Shall Pass”. A cantora-revelação não desapareceu no nevoeiro do palco, ficando para mais um dueto, desta vez com uma música da sua autoria – “Not There Yet”. Lâmpadas foram suspensas por cima dos músicos, recriando um ambiente intimista de sala de ensaio, com um banjo à mistura. Chegou o momento calmo da noite, com uma “What Life Is For” em versão acústica, onde um David Fonseca já sem blazer se aproximou do público. Íntimo também foi o momento, em “Stop 4 A Minute”, em que o cantor mergulhou na multidão de ouvintes, acompanhado da sua guitarra eléctrica, para tocar um solo entre os presentes.
O músico fez passagens musicais por “I Just Called To Say I Love You”, de Stevie Wonder, “Hurt”, dos Nine Inch Nails e “Lithium”, de Nirvana – cover escolhida pelos fãs nas redes sociais, com direito a camisa de flanela e uma dedicatória a Kurt Cobain.
Num concerto com dois encores, David Fonseca chegou ao fim desta viagem no Coliseu dos Recreios com o regresso de “What Life Is For”, sonorizada de forma mais extasiante e com um toque de “and I can’t help falling in love with you” no final. O músico fechou o espectáculo com a distribuição de balões pelo público.
Quando demos por nós, era outra vez Inverno.

Texto de Joana Teixeira
Fotografia de Rita Carmo/Espanta Espíritos  

Francisco Vaz Fernandes
1 Comment
  • Graça Pereira
    Reply

    FOI TÃO BOM!!!!
    Sábado há mais!!!
    O David é o MAIOR!!!

    March 5, 2013 at 3:35 pm

Post a Comment